Aprendendo um novo idioma

Olá, leitores!
Há muito tempo, eu queria compartilhar o meu histórico de aprendizado de idiomas, e o post de hoje é sobre isso.
Na verdade, esse vai ser o primeiro post sobre o tema: Como aprender uma nova língua.
Não apenas para o idioma que estou aprendendo no momento, mas também para o inglês e/ou línguas em geral.

O foco deste post é incentivar as pessoas que querem aprender uma língua e não sabem por onde começar ou precisam de inspiração. Eu sei que parece ser muito complicado no início, mas posso lhe garantir que melhora e o resultado é gratificante.

Então vamos começar!
Desde criança, meu sonho era aprender várias línguas. Eu não sabia o que faria ou que carreira seguiria, mas uma coisa eu sempre tive certeza, e era ser poliglota.
Aos 11 anos eu me interessei pela língua japonesa e comecei a estudar por conta própria com um material que eu tinha em casa, que minha prima trouxe do Japão.
Como descendente de japoneses, a minha curiosidade para entender o que alguns dos meus familiares diziam, só crescia. Meu pai vendo o meu interesse, logo me matriculou em um curso. Estudei por quase 3 anos e, infelizmente, tive que sair devido a carga horária sobrecarregada.
Eu obtive um grande progresso com a língua japonesa e subia de nível no curso a cada mês. Porém, como parei de estudar por todos esses anos, eu já não me lembro de quase nada. Sei apenas ler, sem saber o significado.

Já com o inglês, foi um pouco diferente. Até o ensino médio, eu não fazia ideia de como as pessoas conseguiam entender tal língua e o ensino nas escola não ajudou em nada.
No entanto, eu sempre gostei e admirei o inglês. Até hoje, acho as palavras bonitas e simples.
As coisas mudaram assim que eu ganhei um computador e conheci o mundo das séries de televisão e filmes americanos. Além das músicas, as séries me fascinavam e eu acompanhava várias. Todas com legenda em português. Aproximadamente, 2 a 3 anos depois, eu notei que já entendia tudo o que os personagens falavam.
Percebendo o meu avanço, tentei pegar livros com um inglês fácil para treinar mais.
Hoje em dia, a maioria dos livros que leio, são em inglês. Já não preciso mais de legendas e consigo traduzir, tranquilamente, qualquer coisa que me perguntarem.
É a mais pura verdade aquela frase que as pessoas falam: “Você se torna fluente, quando começa a pensar na língua e não precisar traduzir”.
Aprender inglês foi uma das melhores coisas que fiz e me orgulho ao dizer que aprendi sozinha, sem nenhum curso.

Já o espanhol, apesar de ser uma língua um pouco mais fácil e familiar, eu tive mais dificuldade. Acabei fazendo um curso online que o Governo oferecia enquanto eu estava no Ensino Médio. O curso era simples, porém de boa qualidade.
Eu não lembro de muita coisa, mas consigo me virar ao ler ou escutar alguém falando.
Até hoje, não consigo entender como aprendi inglês, mas espanhol me confunde tanto.
Eu começo a falar em espanhol e acabo terminando em inglês. A falta de prática com certeza está relacionada.
Futuramente, pretendo ler mais livros em espanhol e acompanhar Youtubers para aperfeiçoar a leitura, audição e dicção.

Agora, alemão. Fiquei animada ao saber que meu pai já estudou a língua quando mais novo e tem alguns livros guardados por aqui. Eu fico fascinada ao ver alguém falar ou escrever em alemão. Eu não sei nada da língua, além de saudações e algumas palavras.
Alemão é uma das línguas que eu mais queria aprender durante a adolescência e estava focada para começar meus estudos este ano. Teria dado certo, mas acabei me apaixonando por outra língua e decidi deixar o alemão para depois.
Aprender essa língua em específico, é um pouco mais complicado. Eu conheço poucos livros que foram escritos em alemão e a disponibilidade de filmes ou séries com legendas, é muito baixa. Esses fatores, com certeza, dificultam mais e a persistência é necessária.

Por fim, a língua que eu queria falar e que agora tem um espaço só para ele aqui no blog. O coreano! Só agora eu notei quantas coisas relacionadas à Coréia eu já conhecia e simplesmente não percebia. Uma das minhas tias adora assistir aos doramas, a Lane de Gilmore Girls fazia o papel de uma descendente coreana, e um dos meus salgadinhos favoritos, é importado da Coréia.
Mas, o que mais mais me chamou atenção, foi a música coreana, o K-POP.
Há alguns anos, eu conheci alguns grupos como Super Junior e Girls Generation, porém foi algo passageiro e não acabei me viciando e nem procurado por mais músicas.

Foi neste ano, em Fevereiro, para ser específica, que mergulhei de cabeça. Como disse em um post anterior, enquanto eu estava no Youtube, achei um grupo chamado BTS (Bangtan Sonyeondan) e acabei clicando para ver sobre o que se tratava. Mal eu sabia que era um caminho sem volta. Em questão de dias, eu já havia decorado todas as músicas e conseguia acompanhar as letras. Fui conhecendo mais grupos, o processo se repetia e se repete até hoje.

Eu me apaixonei pela língua e como as palavras soam tão bonitas e com um maior significado quando não traduzidas. Além da dicção ser tão pacífica e harmoniosa.
Fui pesquisando ainda mais e passei a respeitar e admirar a cultura e tradições do país.
Comecei a acompanhar alguns K-Dramas como: Strong Woman Do Bong-SoonHwarang: The Beginning. E eu achava que as séries americanas eram viciantes.
Com esses seriados e vídeos no Youtube, acabei aprendendo algumas expressões por conta da repetição. E claro, fiquei curiosa para saber como se escreve e como era o alfabeto coreano (hangul). Fiquei tão focada em entender e tentando escrever algumas coisas, que acabei decorando o alfabeto em 3 dias.

AFullTimeReader.JPG
Agora estou na mesma situação que o japonês. Sei ler, porém não sei o significado.
Só que desta vez, as séries e músicas estão ao meu favor, assim como o inglês estava; junto com a minha vontade de aprender ainda mais sobre a língua.
Aos poucos, estou aproveitando o tempo livre para estudar, treinar a escrita e não perder a prática.

Tendo isso em mente, decidi criar um espaço no blog para os meus estudos e uma espécie de diário. Coreano não é uma das línguas mais fáceis de se aprender, então todas as armas e artimanhas, são bem-vindas!
Além do mais, muitas pessoas estão interessadas em aprender um idioma novo. Tanto por ser necessário, quanto por gosto. Os métodos de aprendizagem são semelhantes.
A única mudança, é o idioma. Meu intuito é aprender e ao mesmo tempo, dar dicas àqueles que estão estudando. Independente da língua.

Esse post ficou muito maior do que eu esperava, mas queria compartilhar toda a minha história, com detalhes. Essa sessão no blog vai ser literalmente como um diário e se de alguma forma inspirar alguém ou fazer com que alguém se interesse pela língua, ficarei ainda mais feliz.
Obrigada por ter me acompanhado até aqui e até o próximo post.

CURIOSIDADE: Na minha opinião, o coreano é mais fácil que o japonês, pelo menos em relação à escrita. Explicarei mais em breve.