Pais e Filhos do Jean Carllo

Resenha de Pais e Filhos do Jean Carllo (@the_viajante)
• Editora Multifoco | 4 ⭐️

Sinopse:

Dave foi diagnosticado com Retinose Pigmentar quando ainda era pequeno, doença que causa a degeneração da retina e aos poucos está o deixando cego. Ele alterna seu tempo entre estudar e libertar pássaros aprisionados com a ajuda de sua melhor amiga, Angel. A rotina muda quando Dave e seu pai embarcam em um avião para os Estados Unidos, onde ele terá a oportunidade de conhecer novas pessoas e lugares antes que fique completamente cego.

Essa aventura ajudará Dave a descobrir o verdadeiro sentido de amor entre pai e filho. Novo, apaixonante e brutal, Pais e Filhos é a primeira tempestade de Jean Carllo.
Obra inspiradora e dramática, que fará você pensar um pouco sobre o seu verdadeiro sentido em um lar. Inspirado na vida de Louis Corbett.

“A única coisa que realmente vemos é a luz. Um objeto só pode ser visto se estiver refletindo luz ou se for fonte de luz. O tempo que essa luz leva pra percorrer entre os objetos e os noosso olhos faz com que tudo que vemos esteja no passado.”

“A vida não quer saber se você tem dois olhos ou se não tem nenhum,  ela irá jogar com você da mesma forma”.

“Nuvens carregam tempestade, mas depois da tempestade vem o arco-íris e isso é fantástico.”

Recebi uma cópia diretamente do autor, porém tal fato não afeta a minha opinião.

Pais e Filhos é muito tocante. Amei ver o relacionamento pai e filho entre o Ryan e o Dave; a ligação deles. Todos deveriam ter esta mesma ligação e ao saber que isso nem sempre acontece, é o que mais me tocou.
O fato deste livro ser baseado em uma história real, me deixou ainda mais curiosa.

Quando descobrimos que temos alguma doença e a única coisa a se fazer é esperar, faz com que inúmeras pessoas percam a fé e desistam. No entanto, a atitude da personagem é admirável. Em nenhum momento ele desistiu, pelo contrário, decidiu viver cada dia como o último e criou uma lista com todas as coisas que mais desejava ver antes de ficar cego.
O suporte da família, amigos e até estranhos é muito comovente. É reconfortante saber que ainda existem pessoas assim.

IMG_2935

A única coisa que me incomodou no livro, foram alguns erros ortográficos e o modo como as personagens se expressavam. Quase robótico. No entanto, a leitura foi rápida e com um bom ritmo. Me fez ansiar por mais e me conectar com as personagens.

O livro será lançado em Maio pela editora Multifoco. A noite de lançamento será em Natal-RN. Se tiver a oportunidade, recomendo comparecer ao evento. O livro também estará disponível no site da editora e nas livrarias.

Anúncios

Um Mais Um (The One Plus One)

IMG_8695.JPG

Título: Um Mais Um
Autor: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Onde Comprar: Saraiva | Amazon | Submarino | Americanas
Nota: 5 estrelas

Sinopse:

Há dez anos, Jess Thomas ficou grávida e largou a escola para se casar com Marty. Dois anos atrás, Marty saiu de casa e nunca mais voltou.
Fazendo faxinas de manhã e trabalhando como garçonete em um pub à noite, Jess mal ganha o suficiente para sustentar a filha Tanzie e o enteado Nicky, que ela cria há oito anos. Jess está muito preocupada com o sensível Nicky, um adolescente gótico e mal-humorado que vive apanhando dos colegas. Já Tanzie, o pequeno gênio da matemática, tem outro problema: ela acabou de receber uma generosa bolsa de estudos em uma escola particular, mas Jess não tem condições de pagar a diferença. Sua única esperança é que a menina vença uma Olimpíada de Matemática que será disputada na Escócia. Mas como eles farão para chegar lá?
Enquanto isso, um dos clientes de faxina de Jess, o gênio da computação Ed Nicholls, decide se refugiar em sua casa de praia por causa de uma denúncia de práticas ilegais envolvendo sua empresa. Entre ele e Jess ocorre o que pode ser chamado de ódio à primeira vista. Mas quando Ed fica bêbado no pub em que Jess trabalha, ela faz questão de deixá-lo em casa, em segurança. Em parte agradecido, mas principalmente para escapar da pressão dos advogados, da ex-mulher e da irmã — que insiste em que ele vá visitar o pai doente —, Ed oferece uma carona a Jess, os filhos e o enorme cão da família até a cidade onde acontecerá o torneio.

Eu adorei esse livro! Cada capítulo é narrado por um personagem (Jess, Nick, Tanzie e Ed), tornando a história mais dinâmica e motivadora. A cada capítulo lido, desperta no leitor a urgência de saber o que ocorre em seguida. Enquanto eu lia os desastres que aconteciam com essa família, eu sempre lembrava de “Perdido em Marte”. Um problema atrás do outro, mas assim como Mark Watney, a Jess sempre consegue dar o seu jeito.

O livro foca muito na questão de dificuldades, tanto familiar, financeira e no trabalho; ainda mais se você é mãe solteira.
Jess não tem ninguém para ajudá-la com as crianças ou com o pagamentos das contas já vencidas. Ela tem vários empregos e faz de tudo para economizar.
Certo dia, uma possível solução para todos os seus problemas surge. Tanzie é um gênio e tem a oportunidade de estudar em um dos melhores colégios, se ela passar em um teste. Sem dinheiro algum para fazer esta longa viagem, Jess se desespera e comete alguns erros.
Quando parece que tudo está perdido, Ed, um de seus clientes de faxina, aparece e oferece uma carona. Mesmo intrigada e duvidosa, ela aceita, e todos partem em um viagem de carro que dura dias. Ao longo desta viagem, vários desafios vão surgindo e os personagens vão se transformando; amadurecendo.

O livro retrata diversos assuntos, tais quais, traição, amizade, família, problemas em geral e principalmente, a generosidade de desconhecidos.
A protagonista, apesar de todas as diversidades, não se deixa abater e continua lutando. Ela é perseverante e positiva. Um pequeno obstáculo não consegue fazê-la parar de seguir seu caminho e lutar pelos seus filhos.

Eu demorei para fazer esta resenha, porém, percebi que o timing foi perfeito. Um Mais Um nos mostra Jess, uma mulher e mãe, que faz o possível e impossível pelos seus filhos, com os limitados recursos que tem, e sempre está lá por eles. Há melhor livro para definir o amor de uma mãe no Dia das Mães?


Synopsis:

Suppose your life sucks. A lot. Your husband has done a vanishing act, your teenage stepson is being bullied and your math whiz daughter has a once-in-a-lifetime opportunity that you can’t afford to pay for. That’s Jess’s life in a nutshell—until an unexpected knight-in-shining-armor offers to rescue them. Only Jess’s knight turns out to be Geeky Ed, the obnoxious tech millionaire whose vacation home she happens to clean. But Ed has big problems of his own, and driving the dysfunctional family to the Math Olympiad feels like his first unselfish act in ages… maybe ever.

I loved this book! Each chapter is narrated by a character (Jess, Nick, Tanzie and Ed), making the story more dynamic and motivating. Each chapter read awakens in the reader the urgency to know what happens next. As I read the disasters that happened to this family I always remembered of “The Martian”.  One problem after another, but as Mark Watney, Jess always get through it..

The book focuses on the difficulties, both family, financial and labor; even more if you are a single mom.
Jess has no one to help her with the kids or with the payment of the already overdue accounts. She has several jobs and does everything to save money.
One day, a possible solution to all their problems arises. Tanzie is a genius and has the opportunity to study in one of the best schools.. if she pass a test. Without any money to make this long trip, Jess despairs and commits some mistakes.
When it seems that all is lost, Ed, one of her clients of housecleaning, appears and offers a ride. Even puzzled and doubtful, she accepts, and all run on a drive that lasts for days. Throughout this trip, several challenges arise and the characters are transformed; maturing.

We all make mistakes. Go and take your punishment, then come back and start again. Do even better next time. I know you can.

The book portrays various issues, as such, betrayal, friendship, family, problems in general and especially the generosity of strangers.
The protagonist, despite all the difficulties, do not let herself down and keep fighting. She is persevering and positive. A small obstacle can’t make it her stop following her way and fight for her children.

It took me a long time to do this review, however, I realized that the timing was perfect. One Plus One shows Jess, a woman and mother, who does everything possible and impossible for their children, with limited resources, and is always there for them. Is there a better book to describe the love of a mother on Mother’s Day?

Book Review: Against All Odds

DSC03979

Title: Against All Odds
Autor: Patricia Vanasse
Pages: 313
Where to Buy: AmazonBook Depository | Barnes & Noble
Rate: 4,5 stars
Author’s Contact: Click Here

The author sent me a copy in exchange for an honest review.

Synopsis:

Sometimes boy meets girl, and the stars align, and their future is laid out neatly before them. Together forever. Meant to be. But Max and Loren are not one of those couples.
Seventeen-year-old Max DuPont is on the verge of becoming a ward of the state and foster kid. When his dad lands himself in jail, Max has no choice but to accept an offer to live with his father’s do-gooder attorney, Mr. Larssi. The only contingency is that Max must stay far away from Larssi’s beautiful teenage daughter Loren.

Loren is aware that she’s had every opportunity in her young adult life—at least, that is, every opportunity her parents designed for her. She excels in academics at a competitive prep school, she never parties, she never dates, and she’s a budding ballerina and major hopeful for a Juilliard scholarship. But since her best friend Lily died tragically three months ago, Loren is lost. She knows just how precious life is.

Loren’s first step in living her own life might be to get Max to notice her. Max’s only chance at a solid future without foster care is to keep his distance from Loren. But their chemistry is undeniable. And they can’t fight the odds forever…

The first time I’ve read the synopsis it immediately caught my attention. I started reading almost two months later and Against All Odds surprised me.
Loren is a girl who recently suffered a big lost and every day she has to deal with it along with the expectations and pressure of her parents.
Max is a good boy. He has great notes at school, plays hockey and one day he sees his family fall apart.

The story focus on Laren thinking that she has to do everything her best friend, Lily, couldn’t do in life. Even if it’s something really stupid. In other side, we can see that Max blames himself for his mother’s abandonment. At the same time, he can’t forgive her for leaving when he most needed her. He suddenly needs to learn how to manage his house and take care of his drunk father.

I loved that it’s not just the attraction that united Max and Loren, but the problems and difficulties they both face. One supports the other without expecting something in return, simply by the fact that they both know how is to lose someone.

“Who did you lose?”
This girl is full of questions.
“Nobody.” Or everyone – depends how I look at it. People don’t really need to die to be gone.”

The characters are portrayed in a deep and thorough way. Details that describes perfectly an exat moment and what the main characters are passing through; all their hopes and pain.
They both are very independent. Loren, because she wants to be free to make her own decisions and Max, because is necessary since he is the only one who can take care of himself.

The book is told from the point of view of Loren and Max. I liked most of the Max’s POV. It was a more direct and short form, unlike Loren’s POV that was a bit longer.
I also loved all the other characters. They were well used and composed a good plot.
The main characters develop so much throughout the book. Loren goes through several changes until she reach acceptance and face her problems and losses; as the same time Max reluctantly try gradually forgive his parents. Both move on after a long and traumatic journey, together.

“Life is delicate, it’s fragile, it’s a precious thing. you never know when you’re going to lose it. Live life when you can because you never know which second will be your last.”

There are so many real elements in this story. Protective parents, friendship, loyalty, losses, decisions for the future, etc.
I was thrilled every time Loren and Max describes how they were feeling desperate.
The end of the book leaves ample room for the reader imagine about the future of the characters, which I enjoyed it.
At first, you’ll probably think this book is more of the same, as I thought, but it isn’t. I highly recommend Against All Odds. It’s a light story, complex and lovely.

Interview with the author:

When did you start writing books?
I’m not like most authors, as I did not grow up writing stories. My passion for writing came later in life after I had been through law school, culinary arts, and psychology. I finally found my true love in creative writing. Today, I have three published books: Resilient, Awakened, and Against All Odds.

What inspired you to write this novel?
I absolutely love contemporary novels, and after having two teenage Brazilian girls living with me for six months, I was inspired to write about over protective parents. And from that experience, came the idea for Against All Odds.

Are you working on anything new at the moment?
I just finished writing a character driven contemporary that dives into peer pressure, bad choices, and first love. Hopefully, I’ll be sharing more details soon.

Will your books be translated to Portuguese in the near future?
That is definitely a dream of mine. Although I was born and raised in Rio de Janeiro, Brasil, I’m not confident enough to translate my books to Portuguese. Portuguese is a very rich and complex language, and I wouldn’t want to butcher it. But I would love to see my books translated to Portuguese.

PS.: A GIVEAWAY OF THIS BOOK IS COMING IN YOUR WAY PRETTY SOON!

Cinder

DSC04109

Título: Cinder (As Crônicas Lunares #1)
Autor: Marissa Meyer
Editora: Rocco
Páginas: 448
Onde Comprar: Saraiva | Amazon | Submarino | Americanas
Nota: 4 estrelas

Sinopse:

Seres humanos e androides lotam as ruas barulhentas de New Beijing. Uma praga mortal assola a população. Do espaço, um povo lunar implacável assiste, esperando para fazer seu movimento. Ninguém sabe que o destino da Terra depende de uma garota.
Cinder, uma mecânico talentosa, é um cyborg. Ela é um cidadã de segunda classe com um passado misterioso, maltratada por sua madrasta e culpada pela doença da irmã. Mas quando sua vida se entrelaça com o belo príncipe Kai, de repente ela se encontra no centro de uma luta intergaláctica, e uma atração proibida. Preso entre dever e liberdade, lealdade e traição, ela deve descobrir segredos sobre seu passado, a fim de proteger o futuro de seu mundo.

Eu estava ansiosa para conhecer esta história, porém eu iniciei a leitura sem muitas expectativas. Para a minha surpresa, o enredo conseguiu chamar a minha atenção logo nos primeiros capítulos ao introduzir uma doença misteriosa; a letumose.

Esta é a minha primeira experiência com um livro sobre ciborgues e adorei.
Eu esperava algo totalmente diferente do que li. “Cinder” não é um simples reconto de Cinderela. É uma história bem elaborada, cheio de elementos futurísticos, personagens bem detalhados com um papel importante na vida de Cinder, possui um contexto cativante e um ritmo excelente com a mudança de narração entre Cinder e o príncipe Kai.
A protagonista é muito bem construída. Ela é engraçada, complexa, usa ironia para se proteger, e apesar de ser uma ciborgue, Cinder demonstra ter mais sentimentos que os humanos ao seu redor.

– Falando em cirurgia nos olhos, você sabe que não tem dutos lacrimais?
– O quê? É mesmo? E eu pensei que era apenas insensível.

Eu gostei de vários aspectos, e outros me deixaram intrigada. Desde o começo, o leitor consegue pegar algumas pistas, o que acaba tornando a história muitas vezes previsível.
As mudanças que a escritora fez em Levana, na minha opinião, tirou parte da ação que o enredo poderia ter. A lunar, definitivamente, não é a vilã que eu esperava. Adri, contudo, ocupa perfeitamente bem este papel.

Por fim, a história começa falando sobre a doença que já matou diversas pessoas, e o assunto é tratado em boa parte do livro. E do nada, se encerra sem conclusão.
O último capítulo não me deixou curiosa para saber, de imediato, o que acontece em seguida, porém creio que Scarlet vai ser ainda melhor que Cinder. Estou ansiosa para saber se a história vai continuar de onde parou, ou se a sequência vai ser focada em outro conto.


Synopsis:

Humans and androids crowd the raucous streets of New Beijing. A deadly plague ravages the population. From space, a ruthless lunar people watch, waiting to make their move. No one knows that Earth’s fate hinges on one girl.
Cinder, a gifted mechanic, is a cyborg. She’s a second-class citizen with a mysterious past, reviled by her stepmother and blamed for her stepsister’s illness. But when her life becomes intertwined with the handsome Prince Kai’s, she suddenly finds herself at the center of an intergalactic struggle, and a forbidden attraction. Caught between duty and freedom, loyalty and betrayal, she must uncover secrets about her past in order to protect her world’s future.

I was excited to know this story, but I started reading without expectations. To my surprise, the plot caught my attention in the first few chapters when introduced a mysterious disease; the letumose.

This is my first experience with a book about cyborgs and I loved.
I expected something totally different from what I’ve read. “Cinder” is not a simple retelling of Cinderella. It is a well-crafted story, full of futuristic elements and detailed characters with an important role in the life of Cinder, a captivating context and an excellent pace with changing narration between Cinder and Prince Kai.
The protagonist is very well built. She’s funny, complex, uses irony to protect herself, and despite being a cyborg, Cinder demonstrates more feelings than the humans around her.

Speaking of eye surgery, do you realize you’re missing tear ducts?
What? Really? And I thought I was just emotionally withdrawn.

I liked of many aspects and others leave me intrigued. From the beginning, the reader can pick up some clues, which ultimately makes the story predictable sometimes.
The changes that the writer did in Levana’s story, in my opinion, took part of the action that the plot could have. The lunar is definitely not the villain I expected. Adri, however, takes up quite well this paper.

Finally, the story begins talking about the disease that has killed several people, and the subject is treated almost in the whole book. And out of nowhere ends inconclusively.
The last chapter didn’t left me curious to know, instantly, what happens next, but I believe that Scarlet will be even better than Cinder. I am excited to know whether the story will continue where left off or if the sequence will be focused on another story.

Ms. Marvel: Nada Normal

BRANCO

Título: Ms. Marvel: Nada Normal- Volume 1
Autor: G. Willow Wilson
Editora: Panini Comics
Páginas: 132
Onde Comprar: Saraiva | Amazon
Nota: 4/5 estrelas

Sinopse:

Kamala Khan é uma garota comum de New Jersey — até que subitamente ganha dons extraordinários. Mas quem é realmente a nova Miss Marvel? Adolescente? Muçulmana? Inumana? Ao descobrir os perigos associados aos seus recém-descobertos poderes, Kamala precisa lidar também com o segredo que existe por trás deles. Estará a mais nova heroína do pedaço pronta para utilizar seus imensos dons? Ou o peso do legado que tem a carregar será mais do que ela pode aguentar? Nem a própria Kamala sabe ao certo, mas New Jersey que se prepare, pois a Miss Marvel chegou para ficar!

Eu adoro histórias sobre super heróis desde criança, porém, infelizmente, eu não sei a história de todos eles. Ms. Marvel, por exemplo, eu já a conhecia pelo nome, mas nunca parei para pesquisar sobre a sua história e como ela adquiriu seus poderes.

Kamala Khan é uma adolescente comum, muçulmana, tem poucos amigos, é autora de fanfiction sobre os Vingadores e tem de lidar todos os dias com seus colegas engraçadinhos e sua família cheia de regras. Após um estranho evento, ela acaba adquirindo os poderes de uma super heroína. Fã da Carol Danvers (original Ms. Marvel e atual Capitã Marvel), Kamala opta por utilizar o mesmo codinome em sua homenagem. Neste primeiro volume, a garota ainda está aprendendo sobre os seus poderes, como lidar com sua família e amigos sem contar a verdade, e sua primeira tentativa de salvar alguém que ela conhece.

A história trata sobre o preconceito em relação a pessoas de diferentes crenças e origens, a pressão que os adolescentes sofrem no dia a dia; tanto com aceitação e estudos, e como esconder a verdade de quem amamos pode ser complicado.

A HQ é bem elaborada, os desenhos são muito bem traçados, e principalmente, a autora conseguiu criar uma personagem adolescente que é engraçada e natural, tornando Kamala em alguém que facilmente podemos nos identificar.


Synopsis:

Kamala Khan is an ordinary girl from Jersey City — until she’s suddenly empowered with extraordinary gifts. But who truly is the new Ms. Marvel? Teenager? Muslim? Inhuman?When Kamala discovers the dangers of her newfound powers, she unlocks a secret behind them, as well. Is Kamala ready to wield these immense new gifts? Or will the weight of the legacy before her be too much to bear? Kamala has no idea, either. But she’s comin’ for you, Jersey!

I love stories about superheroes since I was a child, but, unfortunately, I do not know the story of all of them. Ms. Marvel, for example, I knew her by name, but never stopped to search about her story and how she got her powers.

Kamala Khan is an ordinary teenager, muslim, has few friends, is author of a fanfiction about The Avengers and has to deal every day with her “funny”colleagues and her family full of rules. After a strange event, she ends up acquiring the powers of a superhero. Fan of Carol Danvers (Ms. Marvel original and current Captain Marvel), Kamala chooses to use the same code-named in her honor. In this first volume, Kamala is still learning about her powers, how to deal with her family and friends without telling the truth and her first attempt to save someone she knows.

The story deals with the prejudice against people of different faiths and origins, the pressure that teens suffer on a daily basis; both acceptance and studies, and how hiding the truth from those we love can be tricky.

The HQ is well developed, the art is very well drawn, especially, the author managed to create a teenage character who is funny and natural; making Kamala into somebody that we can easily identify with.

O Livro das Princesas

DSC04054

Título: O Livro das Princesas
Autor: Meg Cabot, Paula Pimenta, Lauren Kate e Patricia Barboza
Editora: Galera Record
Páginas: 288
Onde Comprar: Saraiva | Amazon | Submarino | Americanas
Nota: 4 estrelas

Sinopse:

Meg Cabot recria a história de “A Bela e a Fera“. A bordo de um transatlântico de Miami para Santos, em São Paulo, Belle, uma modelo famosa, irá questionar os próprios valores depois de conhecer um rapaz misterioso e gentil, que se esconde nas sombras.
Paula Pimenta reinventa a história de “Cinderela“. Cintia vê seu cotidiano virar de cabeça para baixo depois da separação dos pais: vai morar com a tia, se afasta do pai e, principalmente, deixa de acreditar no amor. Até que um encontro inesperado e revelador a faz rever as próprias escolhas.
Lauren Kate reconta a história de “A Bela Adormecida“. Duas realidades e três personagens têm seus destinos entrelaçados: um jovem que levou um fora da namorada e se vê obrigado a participar de uma excursão da escola para Paris, uma princesa que há séculos foi vítima de uma maldição e o unicórnio responsável por sua desgraça.
Patrícia Barboza reproduz a história de “Rapunzel“. Camila tem cabelos muitos compridos por causa de uma promessa feita pela madrinha quando estava doente, mas que acaba quando ela fizer 16 anos. Finalmente ela poderá cortar o cabelo e ser normal como as outras meninas. Só que um acidente com o melhor amigo vai mostrar que primeiro ela precisa aceitar quem realmente é.

Todas as vezes em que eu ia à livraria, este livro estava em uma prateleira de destaque, mas nunca prestei muita atenção. Depois de um tempo, eu acabei ficando interessada. Li a sinopse e descobri que o livro era divido em quatro adaptações de contos famosos.

Conto 1: “A Modelo e o Monstro” da Meg Cabot

A versão moderna que a escritora optou seguir, foi bem criativa. Belle é uma modelo famosa e que passa o tempo lendo para fugir da realidade. No primeiro dia do cruzeiro, ela conhece um garoto, o qual ela apelida de “o sombrio misterioso”.
Gostei de como a Meg descreve a “Fera” e os problemas que vivenciamos atualmente.
O conto se passa em um transatlântico apenas com passageiros famosos; de modelos à membros da realeza.

Nota: ★★★★

Conto 2: “Princesa Pop” da Paula Pimenta

O nome da personagem não é Cinderela, e sim Cintia, porém a autora utiliza uma boa ligação, nos lembrando automaticamente da princesa.
Eu adorei as adaptações que a escritora fez, mas ainda mantendo a base da história original: madrasta má e suas duas filhas, e claro, o “sapato de cristal”. Paula junta o conto com a realidade, introduzindo assuntos como traição e desencontros.

Nota: ★★★★

Conto 3: “O Eclipse do Unicórnio” da Lauren Kate

Logo no segundo capítulo, eu já sabia como a história iria se desenrolar.
O personagem principal desta vez não é a princesa, e sim o príncipe. O conto mistura o ambiente real (Paris) com o fantástico (castelos medievais, unicórnios e anjos).
Para mim, esta adaptação foi contada às pressas, se tornando então, a que menos gostei.

Nota: ★★★

Conto 4: “Do Alto da Torre” da Patricia Barboza

Quando eu li o primeiro capítulo, logo pensei que iria ser previsível igual ao conto anterior. Felizmente, eu estava enganada. A Patricia foi criativa e mudou vários detalhes, trazendo mais realidade ao conto. O foco da autora foram assuntos relacionados à amizade e paixão pela música; uma combinação perfeita.

Nota: ★★★★

Em resumo, eu gostei muito deste livro. Foi uma leitura agradável e leve.
Eu lia alguns capítulos antes de dormir, por este motivo, acabei levando exatamente uma semana para concluir a leitura.
Ao final do livro, me pareceu que Meg Cabot e Paula Pimenta tiveram um espaço maior para desenvolverem sua história em relação às outras escritoras. Os capítulos são maiores e cheio de detalhes. A adaptação da Lauren Kate, por exemplo, foi apressada e sem graça. Porém, nem sempre ter um espaço menor, significa que a história vai ser ruim.  Eu nunca li algo da Patricia Barboza, mas posso dizer que em apenas alguns capítulos, ela conseguiu apresentar uma adaptação maravilhosa.

Se você procura um livro para passar o tempo, eu recomendo “O Livro das Princesas”. E não importa a sua idade ou sexo. A leitura vai além desses detalhes.